Maria Hilda Baqueiro Paraiso

mh

Graduada (1971) e mestre em Ciências Sociais (1983), ambos pela UFBA, Maria Hilda é doutora em História Social pela USP (1998). Atualmente é Professora Titular da UFBA, Diretora da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA, membro de corpo editorial da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e da Universidade Federal de Uberlândia. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em História Indígena, atuando principalmente nos seguintes temas: história indígena e da Bahia, etnologia indígena, antropologia e relações interétnicas.
F
ÁREA DE PESQUISA

História indígena e da Bahia, etnologia indígena, antropologia e relações interétnicas.


TESE

O tempo de dor e do trabalho: a conquista dos territórios indígenas nos sertões do leste. (USP, 1998).


DISSERTAÇÃO

Caminhos de ir e vir e caminhos sem volta: índios, estradas e rios no sul da Bahia. (UFBA, 1983).
F2
ARTIGOS

Revolta Indígena no Engenho de Santana na Capitania de Ilhéus: o Atlântico Açucareiro e o trabalho indígena (1602). DOI: 10.5752/P.2237-8871.2015v16n24p103, v. 16, p. 103-123, 2015.

Crianças indígenas e as estratégias de dominação e negociação. Revista do Arquivo Público Mineiro, v. XLVII, p. 78-97, 2011.

Muros do Recôncavo: A Capital da América portuguesa transferida para aldeamentos indígenas. Clio (Recife), v. 25.2, p. 09-38, 2009. (em coautoria com Pablo Antônio Iglesias Magalhães)

Cartas do Padre Fernão Cardim (1608-1618). Clio (Recife), v. 2, p. 206-246, 2009. (em coautoria com Pablo Antônio Iglesias Magalhães)

As crianças indígenas e a formação de agentes transculturais: o comércio de kurukas na Bahia, Espírito Santo e Minas Gerais. Revista de Estudos e Pesquisas (Fundação Nacional do Índio), v. 3, p. 41-106, 2006.

De Kirymure a Baía de Todos os Santos e de todos os homens. Anais do V Congresso de História da Bahia, Bahia, v. 1, p. 238-252, 2005.

Os esquecidos de Salvador: índios e negros na cidade fortaleza e a conquista das terras das aldeias do seu entorno. Revista do Instituto Geográphico e Histórico da Bahia, Salvador, v. 98, p. 129-158, 2004.

Os botocudos do Leste na ótica dos viajantes do século XIX. Índios do Nordeste Temas e Problemas, Alagoas, v. 3, n.1, p. 97-128, 2002.

Imigrantes europeus e índios: duas soluções para a questão da substituição da mão-de-obra escrava africana no Brasil na década de 1850. Inquice Revista Cultural Eletrônica, UFBa, v. 2, 2000.

A visão indígena e portuguesa na descoberta do Brasil: a formação da primeira família brasileira. Revista da Fundação Pedro Calmon, Salvador - Bahia, v. 05, n.05, p. 79-86, 2000.

Aldeamentos de Salvador no século XVI. Um primeiro esboço. Revista Eletrônica Orbis, Salvador - Bahia, v. 02, p. 01-15, 2000.

Maxakalí. Enciclopédia dos Povos Indígenas Brasileiros, São Paulo, 1999.

Krenak. Enciclopédia Eletrônica dos Povos Indígenas Brasileiros, São Paulo, p. 1-13, 1999.

As corridas de Mastro de Olivença: as transformações Impostas pelo Contacto Interétnico. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Bahia, v. 1, n.2, p. 211-226, 1996.

Maxakali, o Povo do Canto. Intervalo Produtora, Belo Horizonte, 1994.

De como se obter Mão-de-obra Indígena na Bahia entre os Séculos XVI e XVIII. Revista de História (Porto), São Paulo, v. 129-31, p. 179-208, 1994.

Amixokori, Pataxó, Monoxó, Kumanaxó, Kutaxó, Kutatoi, Maxakali, Malali e Makoni. Povos Indígenas Diferenciados ou Subgrupos de uma mesma Nação? Uma Proposta de Reflexão. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 4, p. 173-187, 1994.

Repensando a Política Indigenista para os Botocudos no Século XIX. Revista de Antropologia (São Paulo), São Paulo, v. 35, p. 75-90, 1992.

A Política Indigenista no Século XIX. Revista de História (Porto), São Paulo, p. 153-156, 1992. (Resenha de Manuela Carneiro da CUNHA)

Os Krenak do rio Doce, a Pacificação, o Aldeamento e a Luta pela Terra. Revista de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, v. II, p. 12-23, 1991.

Aldeamentos de Salvador no Século XVI - um primeiro esboço. Revista da Bahia, Salvador, v. XVIIII, p. 39-48, 1990.

Os Botocudos em Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo. Dédalo, São Paulo, v. 28, p. 63-95, 1990.

Os Índios de Olivença e a Zona de Veraneio dos Senhores de Cacau da Bahia. Revista de Antropologia (São Paulo), Sâo Paulo, v. 30-32, p. 79-110, 1989.

Resenha, MOREIRA NETO , C. A.: Os índios nos séculos XVIII e XIX. Revista Ciência e Cultura, São Paulo, v. 41, p. 409-410, 1989.

Os Pataxó - Hãhãhãi do Posto Indigena Caramuru-Paraguaçu. Cultura O Índio na Bahia, Salvador, v. I, p. 53-61, 1988.

Os Capuchinhos e os Índios no Sul da Bahia: uma Análise Preliminar de sua Atuação. Revista do Museu Paulista, São Paulo, v. XXXI, p. 148-196, 1986.

Os Kiriri-Sapuyá de Pedra Branca. Revista do Centro de Estudos Baianos, Salvador, v. 112, p. 01-96, 1985.

Os índios do rio Pardo e a Implantação da imperial vila da Vitória. Gente I, Salvador, v. 01, p. 107-123, 1984.

Qual o Futuro dos Pataxó? Boletim Informativo da Funai XVII, Brasília, v. XVII, p. 32-39, 1976.


LIVROS PUBLICADOS /ORGANIZADOS

O tempo da dor e do trabalho. A conquista dos territórios indígenas nos Sertões do Leste. 01. ed. Salvador: Edufba, 2014. v. 01. 757p .

Caminhos ao encontro do mundo: a capitania de Ilhéus, os frutos de ouro e a Princesa do Sul (Ilhéus 1534-1940). 1. ed. 182: Editus, 2002. v. 1. 182p. (em coautoria com FREITAS, A. F. G.)


CAPÍTULOS DE LIVROS (Coautoria)

Cartografia de terras e gentes: a guerra aos povos indígenas nas capitanias de Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia no início do século XIX. In: Francisco Roque de Oliveira. (Org.). Cartógrafos para toda a Terra. Produção e circulação do saber cartográfico ibero-americano: agentes e contextos. 1ed.Lisboa: Livraria Online (Biblioteca Nacional de Portugal), 2015, v. , p. 465-485. (em coautoria com Caio Figueiredo Fernandes Adan)

Projeto «Atlas Histórico da Bahia Colonial»: promoção e difusão do saber cartográfico. In: Francisco Roque de Oliveira. (Org.). Cartógrafos para toda a Terra. Produção e circulação do saber cartográfico ibero-americano : agentes e contextos. 1ed. Lisboa: Livraria Online (Biblioteca Nacional de Portugal), 2015, v. , p. 1105-1120. (em coautoria com, E. F. Neves, Caio Figueiredo Fernandes Adan, André de Almeida Rego, Raquel de M. Cardoso, Elane Fiuza Borges e J. S. B. Leão)

A mulher indígena, um ente que faz história. In: GARCIA, Antônia dos Santos ; GARCIA Jr., Afrânio Raul. (Org.). Relações de Gênero, Raça, Classe e Identidade Social no Brasil e na França. 1ed.Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013, v. 1, p. 106-120.

O cultivo do cacau e seu caldeirão étnico. In: Ulrich Gmunder. (Org.). Metamorfoses do Cacau. Economia - Sociedade - Cultura. 1ed.Salvador: Instituto Cultural Brasil - Alemanha, 2012, v. 1, p. 98-105.

Panorama Cultural da Bahia Contemporânea. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia.. 1ªed.Salvador: Empresa Gráfica do Estado da

Bahia, 2012, v. 92, p. 275-299. (em coautoria com NUNES, C.)

Índios, náufragos, moradores, missionários e colonos em kirimure. In: Carlos Caroso, Fátima Tavares; Cláudio Pereira. (Org.). Baia de Todos os Santos ? Ambiente Humano. 1ªed.Salvador: Edufba, 2011, v. 02, p. 69-102.

De Rio Grande de Belmonte a Jequitinhonha: a conquista dos territórios indígenas e a construção de um caminho para o comércio entre Bahia e Minas Gerais. In: NEVES, Erivaldo Fagundes. (Org.). Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e diversidade cultural. 1ed.Salvador: Arcádia, 2011, v. 1, p. 119-164.

A presença indígena na construção da cidade de Salvador. In: GAMA, Hugo e NASCIMENTO, Jaime. (Org.). A Urbanização de Salvador em Três Tempos: Colônia, Império e República. 1ªed.Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 2011, v. 1, p. 33-54.

Culturas e identidades: o extremo sul da Bahia, uma região em construção. Panorama cultural da Bahia Contemporânea. 1ed.Salvador: Secretária de Cultura, 2011, v. 92, p. 275-305. (em coautoria com NUNES, C.)

FORMANDO TRABALHADORES: MISSÕES E MISSIONAMENTOS CAPUCHINHOS NA BAHIA, MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO (1845-1890). In: Lígia Bellini, Antonio Luigi Negro e Evergton Sales Souza. (Org.). Tecendo histórias. Espaço, política e identidade. Salvador: Edufa, 2010, v. 1, p. 20-35.

A trajetória histórica dos Botocudos. In: Maria Manuela Carneiro da Cunha. (Org.). História dos Índios no Brasil. 2ªed.São Paulo: Companhia das Letras e Secretaria Municipal de Cultura, 2009, v. 1, p. 413-430.

Memória, sentimento e religião entre os Xakriabá do Norte de Minas Gerais. In: MONTENEGRO, Antônio T ; REZENDE, Antônio Paulo; GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz; GUILLEN, Isabel C. M; TEIXEIRA, Flávio W.; ANZAI, Leny C.. (Org.). História: cultura e sentimento. Outras Histórias do Brasil. 1 ed. Recife; Cuiabá: Ed. Universitária UFPE; EDUFMT, 2008, v. 01, p. 309-322.

Os Botocudos do Leste na ótica dos viajantes do século XIX (1815-1820). In: ALMEIDA, Luiz Sávio; GALINDO, Marcos. (Org.). Índios do Nordeste: temas e problemas 3. 01 ed. Maceió: EDUFAL, 2002, v. 03, p. 97-128.

A Guerra do Mucuri: conquista e dominação dos povos indígenas em nome do progresso e da civilização. In: ALMEIDA, L. S. e GALINDO, M. e ELIAS, J.. (Org.). Índios do Nordeste: Temas e Problemas. Maceió: Editora da Universidade Federal de Alagoas, 2000, v. 02, p. 129-166.

Raça, racismo e racialismo: uma reflexão sobre a naturalização das diversidades humanas.. In: Juana Elbein Santos. (Org.). Diversidade Humana: Desafio Planetário. Salvador: SECNEB, 1998, v. , p. 37-53.

As corridas de Mastro de Olivença: as transformações impostas pelo Contacto Interétnico. In: José Eduardo F.. (Org.). Souza e Silva. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1996, v. 2, p. 77-94.

Reflexão sobre Fontes Orais e Escritas na Elaboração de Laudos Periciais. In: Sampaio, O, Luz e Helm, C. (Org.). A Perícia Antropológica em Processos Judiciais. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1994, v. 01, p. 42-52.

Bahia. In: Monteiro, J. (Org.). Guia de Fontes da História Indígena e do Indigenismo em Arquivos Brasileiros: Acervo das Capitais, São Paulo; Núcleo de História Indígena e do Indigenismo. São Paulo: Fapesp, 1994, v. , p. 25-39.

A Trajetória Histórica dos Botocudos. In: Maria Manuela Carneiro da Cunha. (Org.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: FAPESP/SMC/Companhia das Letras, 1992, p. 413-430.

Os índios de Olivença - Zona de Veraneio dos Senhores de Cacau na Bahia. In: Galino, M.. (Org.). Nordeste Indígena. Recife: 1991, v. II, p. 43-65.

F3
Recomendar esta página via e-mail: