Exposição Elevador Lacerda

Elevador Lacerda
Elevador Lacerda - apresentaçãoElevador Lacerda - artigoElevador LAcerda - galeriaelevador lacerda - créditos

“Entre todos os monumentos baianos, nos postais és o primeiro. A sua grandiosidade arquitetônica, Entre os monumentos és o pioneiro.” (Everaldo Cerqueira)

Um dos mais belos cartões postais de Salvador, o Elevador Lacerda é o primeiro elevador urbano do mundo. Mais do que duas partes da mesma cidade, o Lacerda liga dois mundos, ou pelo menos foi assim que percebeu o escritor italiano Alberto Moravia na sua crônica de viagem à Bahia publicada no Corriere della Sera em 1º de setembro de 1960: “É quase um símbolo, uma vez que vai da cidade baixa, que é pobre, à cidade alta, que é próspera”.

Esta ligação entre os universos das cidades Baixa e Alta foi idealizada pelo engenheiro Augusto Frederico de Lacerda, baiano da cidade de Valença. Com suas peças vindas da Inglaterra, o início da sua construção foi em 1863 e, com o seu funcionamento se tornou, como bem disse o escritor Everaldo Cerqueira, “marco de divisa urbana monumental, de graça e beleza. Nascestes majestoso encravado na rocha, beirando o relevo da natureza.”

Inaugurado em 8 de dezembro 1873 com nome de Elevador Hidráulico da Conceição da Praia, foi chamado de Elevador Parafuso até assumir a identidade que hoje conhecemos: Elevador Lacerda. Em 1930, foi construída a torre externa e o elevador saiu da rocha e se projetou sobre a praça. Neste ano, o grande sambista baiano Riachão tinha apenas nove anos de idade, e o Elevador deve ter chamado sua atenção, alguns anos mais tarde o Lacerda estava nos versos de um dos seus sambas mais famosos, no que ele pinta um “retrato fiel da Bahia”: “Quem chega na praça Cayru/Olha pra cima o que é que vê/Vê o Elevador Lacerda/Que vive a subir e a descer”

Há quase 150 anos está inserido no cotidiano da população, nas lembranças de quem visita a cidade e no cancioneiro popular. Jorge Amado, no seu Sumiço da Santa, conta uma estória da imagem de Santa Bárbara que, trazida do Recôncavo para uma exposição no museu de Arte Sacra, desce do barco, sacode a saia e “Lá se foi Santa Bárbara, a do Trovão, subindo a rampa do Mercado, andando para os lados do Elevador Lacerda. Levava certa pressa, pois a noite se aproximava e já era passada a hora do padê”. É como se chegar à cidade fosse, necessariamente, passar pelo velho mercado e pelo Elevador.

O Lacerda é personagem de outros romances de Jorge Amado, tanto que, também vindo do mar, a nadadora paraolímpica Verônica Almeida comentou: “Parece incrível! Quando eu desço em frente ao Elevador Lacerda, sinto-me uma personagem figurante, de uma das obras de Jorge de Amado.”

Dia 8 de setembro foi inaugurada a segunda torre, aquela se projeta sobre a cidade, e esta exposição, relançado hoje em 8 de setembro de 2015, é nossa homenagem ao velho Elevador


______


Esta exposição foi elabora no ano de 2012, durante a gestão do governador Jaques Wagner, Secretário de Cultura Albino Rubim Diretor Geral da Fundação Pedro Calmon Ubiratan Castro de Araújo.  Apresentamos agora sob um novo formato, algumas imagens adicionais, mas mantivemos o texto da Prof. Gláucia Trinchão "Do Parafuso ao Lacerda".


Recomendar esta página via e-mail: