Perfis Femininos

1


Amélia Rodrigues: entre terços, letras e política

A jovem Amélia Rodrigues foi uma moça de formação densa, não seguiu o destino traçado para si, construiu e trilhou o seu próprio. Dedicada, ostentava erudição e logo não demorou a manifestar um interesse especial em lecionar. Em 1883, iniciou sua carreira docente como professora primária em Santo Amaro; já em 1891 mudou-se para Salvador para assumir um cargo – através de concurso – no magistério público da Capital, e oficializou-se na profissão para se tornar mestra, como eram conhecidos os profissionais de educação da época.

clique para ver a exposição

 0

 

Nise da Silveira: de "Jovem minerva" a "Rebelde maldita"

Maceió, 24 de março de 1921.
A bordo do Itassucê, segue hoje para a Bahia, em cuja Faculdade de Medicina vai iniciar seus estudos, a inteligente senhorita Nise da Silveira, filha do distinto professor e jornalista Faustino Magalhães da Silveira e da pianista Maria Lídia da Silveira. A jovem minerva, então com 16 anos, traz consigo uma mala carregada de futuro promissor.

clique para ver a exposição

0

 


A historiografia padece da ausência crônica de feitos notáveis realizados por mulheres. Essa escassez, longe de significar que a mulher esteve secularmente resignada a “seu papel” doméstico e a-histórico, revela uma invisibilidade ideológica, política, perpetrada por sociedades patriarcais resolvidas em mantê-la relegada a um papel subalterno e sem valor. A partir dessa questão, a Biblioteca Virtual Consuelo Pondé busca contribuir em preencher essa lacuna, ao resgatar trajetórias de mulheres cuja excelência em sua área de conhecimento reivindica seu devido, justo e merecido lugar como sujeito histórico.

O silenciamento da historiografia, felizmente, não teve o mesmo efeito nas ruas, fábricas e movimentos sociais, especialmente os feministas, espalhados mundo afora, que pautaram o oito de março com toda sua carga histórica em um momento de luta e reflexão, negando a oferta cínica de rosas e bombons em prol de um debate justo e igualitário.

E assim, mais um 08 de março passou. E a luta das mulheres no mundo inteiro retorna com ímpeto renovado. É como uma espiral mundial, nova rajada, mesmas vozes, novas forças. A luta é diária, mas esse dia de março simboliza, concentra e converge as energias femininas num uníssono, fazendo-nos avançar juntas contra as forças contínuas da opressão histórica, constantemente renovadas.

Nossas conquistas já foram enormes, mas o caminho a trilhar ainda é árduo.
Em todas as esferas da sociedade pelo mundo, a mulher ainda precisa assumir espaços historicamente considerados “masculinos”, garantir que suas realizações saiam da obscuridade ideológica, e que sejam devidamente reconhecidas. Ainda temos muito a fazer para ocupar postos de comando e conseguir legislar sobre o nosso corpo, nosso sexo, nossos direitos de salários e oportunidades iguais, e contra todo tipo de violência perpetrada sobre as mulheres, sejam elas brancas, negras, indígenas, trans, lésbicas e afins.

Seguiremos na nossa luta diária inspirando-nos nas guerreiras do presente, as trabalhadoras anônimas que matam um leão por dia para conseguir sobreviver, e também nas que desafiaram forças contrárias ainda maiores para realizar feitos extraordinários, afrontando o poderio masculino de uma época, de um lugar, de um campo do conhecimento humano.

Quando pensamos que há exatos 100 anos, uma greve geral de mulheres na Rússia causou um impacto tão grande que mudou o rumo da história da humanidade! Foi no dia 08 de março de 1917 que milhares de mulheres trabalhadoras das fábricas têxteis resolveram dar um basta contra a escassez, a guerra e o sistema monarquista dos czares. Foi o que deu início à Revolução Russa.

Portanto, um dia apenas não nos basta.
A Biblioteca Virtual Consuelo Pondé selecionou alguns Perfis Femininos de grande importância para dar início a uma exposição sobre mulheres que fizeram a diferença em suas áreas de atuação. Reconvocar à memória realizações de mulheres que transformaram os renitentes paradigmas históricos, iluminar-lhes trajetória e obras, e estimular nosso ânimo a continuar lutando.






Recomendar esta página via e-mail: