Lentes Negras: festas, festejos e celebrações

top

A exposição fotográfica “Lentes Negras: festas, festejos e celebrações” tem curadoria e autoria do fotógrafo Lázaro Roberto. A intenção é retratar, através do olhar artístico, as comemorações, celebrações, festejos e costumes da população negra baiana nas suas mais diversas dimensões.

No início da década de 1990, Lázaro juntamente com mais dois jovens fotógrafos, formaram o ZUMVI arquivo fotográfico. Hoje o acervo de fotografias é gigantesco e riquíssimo, com mais de 30 mil fotos que ilustram, contam, revitalizam e preservam a memória da população negra na Bahia. Esse acervo revela a imensa determinação em representar as mais diversas manifestações populares em comunidades baianas.

A ZUMVI arquivo fotográfico e a trajetória artística e pessoal do fotógrafo Lázaro Roberto são histórias siamesas, ambos forjados e comprometidos na luta contra o racismo e as múltiplas violências contra a população negra. A intenção dessa exposição é trazer a leveza da arte fotográfica, sem que se perca a forte expressão política contida em cada foto.

Ao percorrer feiras, passeatas do movimento social negro, carnavais, festas religiosas etc, Lázaro está lá sempre, com sua eterna companheira, sua máquina fotográfica e seu olhar atento e sensível.

Com um olhar vigilante e racialmente demarcado, Lázaro Roberto, que há quase 30 anos vem registrando as formas de vida e o cotidiano da população afro-baiana, apresenta ao grande público, de forma delicada e artística, um pouco de sua arte fotográfica.

slc
910
8
63
7
1
4 5
2
11



bm
2M 3M
4M
5M8M
6M
11M
9M
7M

11M12M
1M


dc
109
 4M
11
1M 2M
7M
6M
5M
3M


                                                   Lázaro Roberto é a “LENTE NEGRA”

LAZ
Fotógrafo, arte-educador e militante do movimento negro, teve sua inserção no universo da fotografia em meados dos anos 1970 através do movimento social negro. Nascido em Salvador no ano de 1958, ao longo da carreira realizou diversos cursos e oficinas sobre fotografia e técnicas artísticas: Escola de Belas Artes da UFBA, SENAC, Fundação Casa de Jorge Amado e Museu Eugênio Teixeira Leal. Em 1990 fundou o Zumvi Arquivo Fotográfico, uma associação de fotógrafos negros comprometidos com o registro das atividades culturais, políticas e artísticas com o objetivo de produzir e arquivar imagens sobre a cultura afro-brasileira. Seus trabalhos abordam temas variados: a labuta dos trabalhadores nas feiras, festas e festejos populares e religiosos, a vida cotidiana em comunidades quilombolas, a estética e representação negra, a luta política e as ações do movimento negro, além de aspectos da vida cotidiana.

Participou de diversas exposições e publicações direcionadas a pesquisas de temática afro-brasileira: publicou no Caderno do Centro de Recursos Humanos-CRH da UFBA “Contos e toque: etnografia do espaço negro na Bahia” em 1991; em seguida, publicou através de uma iniciativa própria, a pesquisa fotográfica “O Negro e seu trabalho na Feira de Água de Meninos a São Joaquim,” com a parceria do historiador Jorge Antônio do Espírito Santo Batista. No período de 17 de Novembro a 04 de Dezembro de 1992, realizou uma exposição de 102 fotografias na semana da Consciência Negra da casa do Benin em Salvador. Em 1993 documentou a primeira aula inaugural do Instituto Cultural Steve Biko, pioneiro em pré-vestibular para afrodescendentes no Brasil. Ainda em 1995 recebeu da UNEGRO o troféu “Clementina de Jesus”
dedicado a pessoas que se destacam na afirmação social do povo negro. Nas comemorações dos 300 anos do quilombo dos Palmares, o jornal alemão Die Zeit fez uma matéria sobre o tema, utilizando as fotos de Lázaro como ilustração. Seus registros fotográficos corriqueiramente são utilizados em capas de livros, panfletos, campanhas e divulgações de eventos políticos e artísticos.

O conjunto das fotografias de Lázaro Roberto reflete uma face do processo histórico dos africanos que chegaram escravizados durantes séculos nas terras baianas. Lázaro continua ativamente recolhendo histórias e memórias negras através da fotografia; seu olhar, seu cuidado e seu compromisso artístico e político lhe garantem a merecida alcunha de Lente Negra. Afinal das contas, como diz o poeta: “foi o negro que viu a crueldade bem de frente. E ainda produziu milagres de fé no extremo ocidente”.





finale

Legendas das fotos. Visualizar de cima para baixo, da esquerda para a direita.


Festa de São Lázaro


1. Senhora carregando imagem de São Lázaro. 2005.
2. Senhora com cesto de pipocas. 2005
3. Senhora, devota, carregando retrato do santo. 1986.
4. Preces ao velho. 2005. 
5. Mulher com cesto de pipoca para o orixá Omolu. 2005.
6. Procissão povo de santo. 2005.                           
7. Caminhada Azoany. Povo de santo. Trajeto do Pelourinho até São Lázaro. 2005.              
8. Pagando promessa ao orixá Omolu. 2005.
9. Povo em barracas durante a festa. 2005.
10. Fiéis de São Lázaro. 2005.        
11. Tabuleiro para o orixá Omolu. 2005.


Festa da Boa Morte

Todas as fotos: festa popular, Nossa Senhora da Boa Morte, Cachoeira-Ba. 1992.


Comemorações Dia do Capoeirista

1. Roda de capoeira. Atividade em prol da habitação popular. Gamboa. 1995. 
2. Capoeirista, festa de Yemanjá. 2013. 
3. Idem. 
4. Roda de capoeira, Dique do Tororó. 2000. 
5. Roda de capoeira, comunidade quilombola Rio das Rãs. 1994.
6. Roda de capoeira. Atividade em prol da habitação popular. Gamboa. 1995. 
7. Comercialização de berimbau. Engenho Velho de Brotas. 2008.

Fotógrafo: Lázaro Roberto

E mail - lazumvi@hotmail.com
Recomendar esta página via e-mail: